Docentes

Doutorada em Antropologia pelo ISCTE (2001). Professora no Departamento de Antropologia do ISCTE, onde leciona desde 1989. Presidente do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA). As suas áreas de especialização são: relações familiares em sociedades contemporâneas, relações sociais em contextos urbanos, elites, empresas familiares, género, sexualidade, cuidado, emoções, migrações e património imaterial. Coordenadora de vários projetos de investigação científica, Antónia Pedroso de Lima tem diversas publicações em livros e revistas nacionais e internacionais sobre a família portuguesa em contextos urbanos, tendo como objetos de análise contextos tão diversificados como os bairros populares de Lisboa e as famílias da elite empresarial portuguesa. Atualmente, a sua pesquisa orienta-se para a área do cuidado e das situações de crise e precariedade.
Nélia Dias é membro do CHEurope 'Critical Heritage Studies and the Future of Europe', H2020 Marie Curie, ITN, Nr - 722416. Ela foi  Visiting Fellow na University of Saint-Andrews ( Fevereiro -Abril 2018) e Directrice d'études associée na Maison des Sciences de l'Homme/ Ecole Normale Supérieure ( Novembro e decembro 2017). Ela foi também  Visiting Scholar no Max Planck Institute for the History of Science (Berlin) onde levou a cabo, com F. Vidal, o projecto 'Endangerment and its consequences' ( publicação sob o titulo Endangerment, Diversity and Cuture ( Routledge 2016) 
É doutorado em Antropologia e Professor no Departamento de Antropologia do ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa, tendo sido Professor visitante da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no Brasil em 2009-10 e 2017-18. Vice-Presidente do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e Diretor do Polo CRIA-IUL. Realizou várias investigações em Portugal, Espanha e Brasil trabalhando sobre temáticas como o corpo, ritual, património, turismo e, sobretudo, na área das performances culturais, práticas artísticas e ativismo político. Trabalha e colabora com diversas estruturas teatrais e em eventos culturais.
Pedro Figueiredo Neto (Tomar, 1984). Arquitecto pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP) e antropólogo pelo ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa e pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS-Paris) onde concluiu a tese de doutoramento Um mundo em movimento. Horizontes operativos entre refugiados e regressados angolanos (Campo de refugiados de Meheba, Zâmbia). Durante o projecto de doutoramento, concluído em 2016 e apoiado pela FCT (SFRH/BD/84332/2012), foi ainda visiting scholar no departamento de Development Studies da School of Oriental and African Studies (SOAS - University of London).As suas temáticas de investigação vão desde a análise de expressões de deslocamento forçado - resultantes de conflitos, de actividades extractivas e/ou de alterações ambientais -, ao desenvolvimento urbano informal e à proliferação de espaços de excepção - tais como campos de refugiados e reassentamentos resultantes de projectos de desenvolvimento -, mas também à (re)elaboração de fronteiras e o papel da mobilidade, ou a relação entre mobilidade e mobilização política, nomeadamente no contexto africano. Actualmente, no âmbito do pós-doutoramento, desenvolve um estudo comparativo sobre os discursos e estratégias institucionais de exclusão sócio-espacial analisando as diferenças/semelhanças entre o "humanitário" e o "desenvolvimento", tendo como caso de estudo o campo de refugiados de Meheba e os reassentamentos resultantes da exploração de carvão em Moatize, Moçambique (SFRH/BPD/115071/2016).A sua trajectória interdisciplinar levou-o a publicar artigos sobre diversas temáticas e a realizar várias curtas-metragens. Foi também investigador no projecto de investigação Ruptura Silenciosa. Intersecções entre a Arquitectura e o Cinema. Portugal 1960-74 (FCT/PTDC/EAT-EAT/105484/2008), na FAUP. Desde 2016 é professor convidado no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa onde lecciona "Antropologia, Cidadania e Direitos Humanos" no Mestrado em Estudos Internacionais.
Voltar ao topo