Notícias

Investigação • 20 jun 2018
‘Eles fizeram uma escolha, foram cometer um crime’ (3/3)
Catarina Frois

Catarina Frois, investigadora no CRIA-IUL, desenvolveu um trabalho etnográfico numa prisão exclusiva a mulheres, tendo realizado visitas mensais durante um ano. Esta experiência, que explica no seu recente livro ‘Mulheres Condenadas’, singular no panorama prisional português, permitiu que observasse o contexto prisional de uma perspetiva bastante próxima das suas protagonistas, ao conhecer rotinas, felicidades e angústias do quotidiano, vivências e impotências do ‘estar fechada’. Mas a prisão de Odemira revelou-se um caso de estudo bastante particular.

Na parte 1/3 desta entrevista Catarina Frois explicou-nos que ‘Odemira é particular porque deve ser das poucas prisões em Portugal, pela sua dimensão reduzida, (que) não está em sobrelotação’.

Mas que efeito ‘reformador’ tem efetivamente o ‘tempo de reclusão’ é explicado pela própria investigadora com uma outra questão: ‘como é que tu reintegras uma pessoa que estava integrada?’, explorada na parte 2/3 já publicada também.

Agora, e para finalizar esta entrevista com Catarina Frois, apresentamos a parte 3/3 onde a investigadora nos leva a viver um pouco o papel da mulher investigadora numa prisão feminina, proximidades e questões metodológicas. E como a proximidade criada pelo trabalho de campo pode fazer com que ‘muitas vezes tu própria te confrontas com... se estivesses nas mesmas situações, será que não tinhas feito a mesma escolha? (…) aquelas pessoas não são vítimas, não são os desgraçados, ou melhor, não são pessoas totalmente sem escolha, eles fizeram uma escolha, foram cometer um crime.’

Voltar ao topo