Rota dos ODS

Mapa para a Rota dos ODS no Iscte
A Rota dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Iscte pretende dar a conhecer e valorizar o compromisso e contributo do Iscte para a Agenda 2030 das Nações Unidas.

É uma viagem à volta dos Edifícios do Campus do Iscte, através de um trajeto por alguns pontos de referência identificados com sinalética dos ODS e um QR Code, durante cerca de 60 minutos, onde convidamos toda a comunidade académica a fazer um percurso que irá ajudar a descobrir e a reconhecer o valor do Iscte na componente da Educação para a Qualidade e a sua importância para a promoção de um mundo onde coabitam sociedades prosperas, inclusivas e bem governadas.

Clique aqui para fazer o download do mapa da Rota dos ODS no Iscte.

1 - Mural Solidário (Átrio 1 do Edifício II)
ODS4
O mural solidário permite através de bolsas o apoio a estudantes num contexto económico mais vulnerável, e que através do acesso à educação podem quebrar o ciclo vicioso da pobreza e iniciar um ciclo virtuoso.
A educação é o alicerce do desenvolvimento sustentável: o acesso à educação capacita os indivíduos a romper o ciclo da pobreza, promove a paz fomentando a tolerância entre as culturas e promove a igualdade de género.

Enquanto ator relevante do desenvolvimento, o Iscte atua na criação de oportunidades de aprendizagem abertas e inovadoras, capazes de contribuir para o desenvolvimento global. O mural solidário permite através de bolsas o apoio a estudantes num contexto económico mais vulnerável, e que através do acesso à educação podem quebrar o ciclo vicioso da pobreza e iniciar um ciclo virtuoso. Como observamos, a ligação entre o ODS da educação e o ODS da pobreza, torna-se evidente neste contexto.

Uma palavra para o Serviço de Ação Social (SAS) e o Serviços de Gestão de Ensino (SGE) do Iscte. Os apoios sociais são determinantes para uma maior igualdade de oportunidades, no acesso e frequência para todos os estudantes. Tal com na agenda, o mote “Não deixar ninguém para trás“ também no Iscte procuramos que nenhum estudante fique excluído do ensino superior por incapacidade financeira, diversidade funcional ou outra.

Curiosidades:
O Mural Solidário do Iscte, dinamizado atualmente pelo Alumni Clube Iscte, foi criado no ano de 2012 (celebração dos 40 anos do Iscte) com o objetivo de angariar bolsas de estudo para os estudantes do Iscte. Desde então, os antigos alunos do Iscte contribuem para um fundo que se destina a apoiar estudantes, que por diversas circunstâncias enfrentem dificuldades para poderem completar os seus cursos. Até finais de 2021 foram apoiados cerca de 60 estudantes, e em 2022 através do Mural Solidário serão atribuídas 12 bolsas de estudo com um valor unitário de 886,40 €.


No âmbito da ação social do ensino superior, o montante total de bolsas atribuídas em 2021/ 2022, sem incluir complementos de alojamento e passagem aérea (transporte), foi de 1.349.422,07 € o que se traduziu num aumento de mais de 100 mil euros face ao ano letivo anterior.

2 - Ginásio (D0.02 do Edifício II)
ODS3
O Iscte procura assegurar as melhores condições de trabalho, o acesso a serviços de saúde e o apoio a atividades desportivas, mas também a capacitação da comunidade académica. Assim se contribui para o aumento da motivação, a produtividade e o bem-estar dos colaboradores, para o sucesso académico dos estudantes, para a prevenção de acidentes de trabalho e para a redução de taxas de absentismo.

O ginásio é apenas a fase visível de um compromisso amplo com a comunidade académica. Para quem gosta de se exercitar podem inclusive descarregar a nossa playlist dedicada aos ODS (em breve). Temos ainda o Deporto Universitário do Iscte com múltiplas ofertas e iniciativas no seu programa, dinamizado pela Unidade de Cultura e Desporto Universitário (UCDU).

Também, o Gabinete de Apoio ao Aluno dispõe de atividades no apoio à integração do estudante e no trabalho de prevenção. Desenvolve workshops e atividades de promoção de estilos de vida saudáveis. Avaliada pedidos de apoio dos estudantes e encaminha-os, sempre que tal se justifique.

Dirigido a toda a comunidade académica é realizado anualmente o evento "Iscte you Well: bem-estar do corpo e da mente", com um conjunto de ações ligadas à saúde e ao bem-estar físico e mental. Promove a literacia em saúde e estilos de vida saudável.

O Iscte está mais presente neste ODS ao nível da saúde mental e das políticas públicas de saúde, duas áreas de ensino e investigação importantes. O ensino de psicologia e a investigação do CIS_Iscte são das faces mais visíveis deste ODS no Iscte. Mais recentemente, o Iscte tem estado a desenvolver um projeto estratégicos nesta área: o Iscte Saúde. O Iscte Saúde é uma iniciativa transversal a todo o Iscte, desenvolvida com a finalidade de contribuir para uma melhor resposta aos desafios da saúde na sociedade atual, através da conjugação entre a investigação, formação e intervenção do Iscte nas suas áreas de ciências sociais, da gestão e tecnológicas. A iniciativa assume-se numa perspetiva de saúde societal, que é nova e alarga os horizontes à participação do cidadão e ao papel das políticas públicas.

Relembramos que a numeração atribuída aos ODS é uma mera identificação, uma vez que todos os ODS são igualmente importantes, complementares e orientados na mesma direção. Seguimos para a explorar  o tema do ODS 9.

3 - Vitruvius FabLab (D0.04 do Edifício II)
ODS9
Alguém se recorda, da cor, do nome ou mesmo do número que está associado a este ODS 9?
ODS 9 - Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação, cor Laranja.

O Vitruvius FabLab foi fundado em 2012, é gerido pela ISTA, com o objetivo de potenciar o desenvolvimento de métodos inovadores na fabricação e conceção criativa. Pretende-se participar no desenvolvimento de técnicas automatizadas para a produção de modelos de arquitetura, explorar sistemas de construção modular, aplicações inovadoras de materiais, intervenções na área do design de produto, equipamento urbano, computação gráfica e multimédia, num contexto transdisciplinar e participativo.

Também associados às atividades da ISTA, estão os centros de investigação Istar_Iscte e o Instituto de Telecomunicações (pólo Iscte), com investigação diversa na área das tecnologias. Uma área recente no Iscte, fundamental para a inovação nas mais diversas áreas, é a ciência de dados, que surge de uma parceria entre a ISTA e a IBS, e conta com atividade de investigação também no BRU_Iscte.

Vamos entrar no VFabLab e pelo voz do Arquiteto João Sousa conhecer de forma muito breve o FabLab. Sabem que estamos de portas abertas para vos receber ?
4 - Vai e Vem e Hero to Zero (Átrio do Piso 2 do Edifício II)
ODS12
Produção e consumo sustentáveis significam fazer mais, com menos e melhor: construir infraestruturas sustentáveis, garantir o uso eficiente dos recursos naturais e gerar energia mais limpa e desperdiçar menos. Ao envolver diversas partes interessadas, gerará soluções duradouras que promovam ecossistemas e economias mais saudáveis e meios de subsistência mais seguros.
Para além de antigas alunas, verdadeiras estrelas do instagram que aproveitaram a sua jornada académica para desenvolver projetos criativos e inovadores – Anna Massielo da " R-Coat", ou o projeto " Fruta à Moda Antiga: Reativar para Reaproveitar" - que evidenciam o impato de pequenas “grandes “ ações na promoção de padrões de consumo mais sustentáveis, o Iscteimplementa, com os seus parceiros, um conjunto de iniciativas e atividades que abordam esta temática.

Porque acreditamos que a aprendizagem pelo caminho, uma metodologia de educação não formal, é também importante em contextos académicos e mesmo valorizadas, uma das iniciativas que queremos destacar nesta rota é a iniciativa “Vai Vem”.

Através da reflexão e da partilha é possível despertar a comunidade educativa para a adoção de novos padrões de consumo, dando uma segunda oportunidade a artigos que já não são utilizados. Uma iniciativa que sabemos que será bem recebida pela comunidade educativa do Iscte e que pode ser amplamente replicada por outras comunidades.

Um área de atuação importante do Iscte neste ODS é a da gestão e manutenção do nosso campus, em que toda a comunidade académica tem o seu papel. O Iscte tem feito um grande esforço nos últimos anos de implementação de uma gestão mais eficiente e sustentável dos recursos e dos resíduos, procurando evitar o desperdício e integrar as melhores práticas num consumo mais responsável. Temos um campus acessível, onde as horas de formação em sustentabilidade e o trabalho com serviços e fornecedores tem aumentado, tal como a reciclagem dos resíduos, e o consumo de energia, água e papel tem descido. Estas e outras informações estão presente no nosso Relatório de Sustentabilidade.

Curiosidades:
Está a chover e o teu guarda-chuva partiu-se? Não deites no caixote de lixo, traz para o Iscte! Recolhemos guarda-chuvas partidos para o projeto R-Coat @shoprcoat, desenvolvido por uma antiga aluna do Iscte, que os transforma em novos impermeáveis, chapéus e calções. Procura o contentor (feito de guarda-chuvas) na entrada do Piso 2, edifício II.
5 - Biblioteca (Piso 4 do Edifício II)
ODS4
Biblioteca - Uma janela para o Mundo. Aqui temos novamente de reforçar as metas ambiciosas que estão expressas no ODS 4 - Educação de Qualidade.
The Selfie Point - Antes de visitares a biblioteca convidamos-te a tirar uma fotografia para alertares para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, e, se quiseres, e partilha nas redes sociais #50anosIscte #UmEspacoParaCrescer #SustentabilidadeIscte.

A educação é o alicerce do desenvolvimento sustentável: o acesso à educação capacita os indivíduos a romper o ciclo da pobreza, promove a paz fomentando a tolerância entre as culturas e promove a igualdade de género. Enquanto ator relevante do desenvolvimento, o Iscte atua na criação de oportunidades de aprendizagem abertas e inovadoras, capazes de contribuir para o desenvolvimento global.

A Biblioteca do Iscte tem como missão gerir o acesso e a utilização dos recursos bibliográficos e informativos necessários ao desempenho das funções de ensino, aprendizagem e investigação e promover a realização de atividades de extensão cultural. Participa em redes e projetos de âmbito nacional e internacional e desenvolve iniciativas de formação de utilizadores no domínio da literacia de informação. É especializada nas áreas das Ciências Sociais e Humanas, Sociologia e Políticas Públicas, Ciências e Tecnologias da Informação e Comunicação, Arquitetura e Urbanismo e Gestão.

Esta estrutura é um apoio às 4 Escolas do Iscte: Escola de Ciências Sociais e Humanas (ECSH) , Escola de Sociologia e Politicas Publicas (ESPP), Escola de Tecnologias e Arquitetura (ISTA) e a Escola de Gestão (IBS).
6 - Sala Multimédia (B6.01 do Edifício II)
ODS10
A diversidade e inclusão são fatores essenciais a uma sociedade mais justa e um trabalho mais digno. A universidade inclusiva constitui um desafio contínuo, pois existe cada vez maior diversidade de públicos, ao nível do género, idade, nacionalidade, condição física, religião, entre outros. O Iscte é um espaço de ensino e aprendizagem inclusivo, com a aplicação de métodos pedagógicos inovadores. Além dos apoios a estudantes, há medidas complementares para os estudantes com NEE.
O campus do Iscte um espaço de ensino e aprendizagem inclusivo, com a aplicação de métodos pedagógicos inovadores. Além dos apoios a estudantes, há medidas complementares para os estudantes com Necessidades Educativas Especiais (NEE) :
  • A adaptação dos edifícios,
  • Sistema de TeleAula – aulas à distância,
  • Adaptação de espaços e materiais pedagógicos,
  • Sala Multimédia e NEE (Biblioteca) – que reúne condições para o trabalho autónomo dos estudantes e reuniões com os tutores, em particular alunos cegos ou com baixa visão. Há a possibilidade de conversão de documentos para formatos adaptados e a impressão em braille;
  • Disponibilização na Biblioteca de guias para produção de conteúdos acessíveis;
  • Iniciativas de sensibilização e workshops sobre diversidade e inclusão (por ex. o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência).

No que diz respeito à integração dos estudantes estrangeiros, a Unidade de Relações Internacionais em articulação com as escolas, promovem iniciativas para o acolhimento e a integração e, de promoção da multiculturalidade.
7 - Reitoria (Ala Sul do Piso 2 do Edifício Sedas Nunes)
ODS16
Chegados à Reitoria, não podemos deixar de fora o ODS 16 - promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas a todos os níveis.
Com esta rota, acima de tudo procuramos criar uma visão diferenciada de análise dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, recorrendo ao trabalho que desenvolvemos ao longo dos anos e que vamos continuar a desenvolver. Um trabalho que precisa de todos e todas nós, porque só assim será possível garantir que ninguém fica trás e que podemos alcançar um mundo mais justo, mais digno e mais inclusivo.

A Sustentabilidade avalia-se não apenas nos seus resultados, mas também nos seus processos de construção, que se querem democráticos, participados e livres. A governação das instituições é fundamental nestes processos. No Iscte há eleições regulares para a Reitoria. Conta-se ainda com o Conselho Geral, como órgão de governo, com o Senado e a Comissão de Ética, como órgãos consultivos, e com os Conselhos Pedagógico e Científico, como órgãos de coordenação. Vários destes órgãos integram obrigatoriamente representantes da comunidade académica – estudantes, docentes, investigadores e técnicos – e  também participação externa
 
A Reitoria conta com o apoio do Gabinete de Estudos Planeamento e Qualidade (GEPQ), Gabinete de Apoio à Investigação  (GAI), e o Gabinete de Comunicação (GC). O Sistema Integrado de Garantia de Qualidade do Iscte (SIGQ_Iscte), que integra transversalmente a Sustentabilidade, promove e garante a intervenção de múltiplos atores em diversos níveis organizacionais e com diferentes graus de responsabilidade. Concretiza-se aqui também a participação de diversos atores internos (estudantes, docentes, investigadores e técnicos) e externos (antigos alunos, empregadores, outras figuras da sociedade civil).

Ao nível da investigação e ensino, o Iscte também está presente neste ODS, com investigação e ensino em diversas áreas das ciências sociais e humanas, nomeadamente através das aticidades do centro de investigação CEI_Iscte e da recentemente desenvolvida formação na área da ação humanitária.

8 - IPPS (2SN3 do Edifício Sedas Nunes)
ODS11

Para além da comunidade educativa cujo valor é inestimável, não podemos deixar de referir o papel que o Iscte também desempenha para a promoção de Cidades e Comunidades Inclusivas, Seguras, Resilientes e Sustentáveis.

A ação multidisciplinar do Iscte reforça de forma direta e indireta a promoção de comunidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis.

Neste local, também se situa o Instituto de Políticas Públicas (IPPS). Salientamos o Prémio Iscte Políticas Públicas que tem por objetivo reconhecer as políticas públicas mais relevantes adotadas no último ano em Portugal, nomeadamente aquelas que visaram combater a pandemia COVID-19 e os seus efeitos sociais, económicos, educativos e culturais.

Destaque também para o papel do AUDAX, o Centro de Inovação & Empreendedorismo do Iscte. Existem ainda um conjunto de importantes projetos e iniciativas que de forma direta contribuem para a prossecução deste objetivo e que estão devidamente identificadas no Relatório de Sustentabilidade do Iscte. Um dos centros de investigação mais ativo ao nível deste ODS é o Dinâmia’Cet_Iscte, reunindo investigação das áreas de economia, arquitetura e sociologia, com a necessária interdisciplinaridade que os territórios exigem.

E não seríamos uma comunidade sustentável sem dar uma resposta assertiva a um dos maiores desafios atuais: a produção e o consumo sustentável... Sem moralizar comportamentos nem estilos de vida sabemos que a nosso atual estilo de vida tem um impacto direto a nível social e ambiental.

Curiosidades:
O Iscte participa em quatro entidades que se dedicam à transferência do conhecimento para a sociedade através da promoção do empreendedorismo, da consultadoria e de formação de quadros em empresas privadas, em entidades públicas e em organizações sem fins lucrativos:
9 - Painel de Investigadores (Acesso ao Edifício Ala Autónoma, Piso 0 Edifício Sedas Nunes)
ODS5
A igualdade consagra-se no acesso à educação, nas condições e oportunidades de trabalho e desenvolvimento de carreira profissional, entre outros. Liderados por uma Reitora, acreditamos, defendemos e praticamos a igualdade de género em todas as suas dimensões.
O Iscte fomenta a participação e a valorização do papel que mulheres e homens desempenham na sociedade (nos domínios laboral, económico, político, pessoal e familiar).

Quer ao nível dos estudantes, quer dos docentes, verifica-se um equilíbrio entre o número de pessoas do género feminino e masculino. Apesar de no ensino superior as mulheres se encontrarem muitas vezes sub-representadas em cargos de topo, no Iscte verifica-se o inverso. Quanto ao rácio do salário e remuneração este é aproximadamente equivalente entre mulheres e homens (acima dos 0,9), verificando-se uma maior diferença (rácio de 0,87) nos investigadores.


O Iscte acompanha as percentagens de estudantes e diplomados do género feminino, e em 2018/19 passou a monitorizar as taxas de conclusão masculina e feminina. Globalmente, as mulheres representam cerca de metade dos estudantes e diplomados, ainda que haja algumas variações consoante o curso.

Curiosidades:
Principais Indicadores de diversidade do Iscte:
% de inscritos de género feminino - 2020/2021:
% de estudantes estrangeiros 2021:
N.º de estudantes com NEE 2021:
% de docentes estrangeiros 2021:
% de investigadores estrangeiros 2021:
Colaboradores do Iscte (2021): XX do género feminino e XX do género masculino
10 - Bebedouro (Átrio dos Serviços de Gestão de Ensino, Piso 1 do Edifício Sedas Nunes)
ODS6
Alguém sabe quantos litros de água consome em média um cidadão português?
O acesso à água potável e ao saneamento básico é essencial para a prossecução de muitos dos ODS (saúde, igualdade de género e educação). 2,2 mil milhões de pessoas ainda não têm acesso a casas de banho, 1,8 mil milhões bebem água contaminada e a escassez de água afeta mais de 40% da população global. Para além da água que nos é visível, não nos podemos esquecer da água invisível. A água presente no nosso vestuário, alimentação... (Fonte: ONU).

Aliás, cada português gasta em média de 187 litros de água por dias, para consumo doméstico, quando o recomendado é cerca de 50 litros por pessoa para as necessidades básicas humanas. A título de exemplo, o equivalente a 20 garrafões de 5 litros de água. (Fonte: https://www.portaldaagua.pt/valor-da-agua.html).
Curiosidades:
O Iscte utiliza exclusivamente água da rede publica. O consumo de água resulta da utilização dos WC´s, torneiras, fontes e rega. Para minimizar o consumo, o Iscte tem um sistema de monitorização.

Em 2021, o consumo de água potável, proveniente da rede abastecimento no Campus do Iscte é na ordem de 11.898 m 3 de água, o que corresponde em média cerca de 2,5 litros por membro da comunidade académica.

Com as medidas previstas no Plano de Eficiência da Eco.AP 2030 do Iscte prevê-se reduzir em cerca de 40% o consumo de água, Ou seja 11.545 m 3 de água, o que equivale a cerca de 6 piscinas olímpicas de água poupada em 4 anos.
11 - Certificado Energético (Portaria da Ala Autónoma)
ODS13

O combate às alterações climáticas é um dos maiores desafios da humanidade. Com uma comunidade académica que conta com mais pessoas do que algumas pequenas cidades, o Iscte aposta na redução do consumo de energia (eletricidade e gás) e das Emissões de Gases com Efeito de Estufa.

A Politica de Sustentabilidade do Iscte reflete ess compromisso: "reduzir a utilização de recursos e a produção de resíduos e emissões, prevenindo a poluição e melhorando a qualidade de vida no campus".

Esse compromisso é consubstanciado na implementação de medidas de promoção de eficiência energética no campus e em acções de sensibilização, integradas no Plano de Eficiência e Recursoso da ECO.AP 2030.

Através da Candidatura submetida pelo Iscte em 2022 ao Fundo NextGeneration EU, no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência, o Iscte conta em concretizar as medidas de forma a conduzir até 34,3% de redução do consumo de energia primária nos edifícios intervencionados e contribuir para a redução em 40% do consumo de água de abastecimento nesses edifícios, até 2024.

Esta candidatura, contou com um vasto trabalho de grupo, envolvendo o GM.ARC, projetistas, o Gestor de Energia e Recursos (GER), os apoios GER distribuídos pelos SIE/Unidade de Edifícios e Recursos, a Unidade de Compras, a Unidade Financeira, Gestora da Sustentabilidade do Gabinete de Estudos, Planeamento e Qualidade, entre outros.

Curiosidades:

Com o Plano de Eficiência e Recursos da ECO.AP 2030 pretende-se contribuir para:

  • A redução do consumo de recursos energéticos, hídricos e de materiais, contribuindo para o combate às alterações climáticas;
  • O aumento da incorporação de fontes de energia renováveis em regime de autoconsumo;
  • O aumento da sua participação na melhoria da eficiência de recursos, prevenindo a poluição e melhorando a qualidade de vida do Campus;
  • A redução das emissões de gases de efeito de estufa (GEE);
  • Capacitar e sensibilizar a comunidade académica sobre a eficiência energética, hídrica e materiais;
  • Promover a mobilidade elétrica.
12 - Auditório Silva Leal (piso 1 no Edifício da Ala Autónoma)
ODS10

Redução das Desigualdades está no centro dos ODS. Mais de 75% das famílias nos Países em Desenvolvimento vivem em sociedades com maior desigualdade de rendimento do que nos anos 90. Mas equilibrar os níveis de rendimento deve ser tratado juntamente com outras desigualdades, como as baseadas em deficiência, género, etnia e religião.

O Conselho Pedagógico do Iscte em articulação com a  Secretaria de Estado da Segurança Social instituiu o prémio Silva Leal, que tem como principal propósito reduzir as desigualdades no domínio educativo. O prémio anual, no valor de 2.500€, destina-se a trabalhos de relevância para o estudo das políticas e das práticas nos domínios da segurança social, da solidariedade e da economia social.

O Professor António da Silva Leal, distinguiu-se no campo das políticas de solidariedade. Em 2018, é autor da tese de doutoramento “As redes de suporte social informal em Serviço Social: as redes sociais pessoais de idosos portugueses nos processos de avaliação diagnóstica em respostas sociais”.

O ODS 10 é um dos ODS em que o Iscte está mais presente através das atividades de ensino e investigação, incluindo ainda tem trabalho de avaliação de políticas e de desconstruir mitos e estereótipos. Não só através do ensino de ciências sociais e humanas, mas também através da atividades do CIES_ Iscte ou do Cria_Iscte, mas também de observatórios, como sejam o Observatório das Desigualdades, o Observatório das Migrações, ou ainda a participação no Laboratório associado CoLABOR, que trabalha os temas da trabalho e emprego, proteção social e economia social e solidária. Por esta e outras razões, foi o ODS em que o Iscte obteve melhor pontuação no ranking THE Impact, ficando no topo nacional.

Importante referir o trabalho do Laboratório de Competências Transversais (LCT) do Iscte, que com vista à melhoria do acolhimento académico oferece um conjunto de Unidades Curriculares e Módulos preparatórios gratuitos para toda a comunidade Iscte.  – PALOP’S.

13 - Pátio da Oliveiras
ODS15

A Emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) provenientes de atividades humanas são impulsionadoras das mudanças climáticas. O Acordo de Paris impulsionará essa ação, mas alcançar seu objetivo de limitar o aumento da temperatura global a menos de 2.º Celsius dependerá da transformação do conhecimento climático em política.

Muito de vocês se calhar já se perguntaram o porquê destas Oliveiras no Pátio do Iscte. Para além da simbologia (a paz, o progresso, a abundância, a sabedoria, a justiça) estas Oliveiras foram plantadas em 2011.

E apesar desta magnifica história, não podemos deixar de refletir sobre as consequências da exploração intensiva do Olival, sobretudo no Sul do pais. Os impactos são preocupantes na perda da biodiversidade e no reforço de resistência das pragas. Pior: por vezes, as plantas absorvem esses produtos nocivos e eles vão para as azeitonas - acabando nos nossos pratos. E é por isso que é fundamental promover o uso sustentável de ecossistemas e proteger e repensar a floresta, também em Portugal. Reconhecendo os múltiplos constrangimentos associados à desflorestação, que tem aumentado de ano para ano, sabemos que é necessário fazer mais e melhor.

As florestas abrigam 80% de todas as espécies terrestres de animais, plantas e insetos (fonte ONU). As florestas sustentam o ar, a água e os alimentos. A extrema desflorestação e a degradação da terra ameaçam a biodiversidade e os 1000 milhões de pessoas, que dependem da terra para se sustentar.

Não temos floresta, mas temos uma horta piloto. Uma vez mais e associando ao tema dos ODS a ideia é estabelecer a ligação com o ODS 1 - Erradicar a Fome, Alcançar a Segurança Alimentar, Melhorar a Nutrição e Promover a Agricultura Sustentável.
Curiosidades:
BioBlitz no Iscte é uma atividade de "Ciência Cidadã" no Iscte!

O BioBlitz no Iscte, é uma atividade que normalmente ocorre na preparatória da Noite Europeia dos Investigadores, com o objetivo de sensibilizar para a importância de proteger e medir a biodiversidade, através da contagem das espécies existentes. Esta é uma atividade de “ciência cidadã”, com o envolvimento do público em atividades de investigação científica.  
14 - Horta (Pátio do Piso 3 do Edifício II)
ODS2
Não temos floresta, mas temos uma horta. Uma vez mais e associando ao tema dos ODS a ideia é estabelecer a ligação com o ODS 2 Erradicar a Fome, Alcançar a Segurança Alimentar, Melhorar a Nutrição e Promover a Agricultura Sustentável.
Sabemos que não é a partir desta horta que vamos alcançar aquele que é o maior problema solucionável do mundo, mas queremos chamar a atenção para este problema que afeta mais de 811 milhões de pessoas (Fonte: ONU) , um número aliás que aumentou nos últimos 2 anos como consequência da Covid-19.

Chamamos igualmente a atenção para as questões mais invisíveis relacionadas com a alimentação, ou seja, o percurso do prado ao prato. Falamos, claro, dos fatores ambientais, mas também das condições de trabalho que sabemos que têm um impacto direta na vida de milhares de trabalhadores. Se somos de facto aquilo que comemos, então temos de garantir uma alimentação ética e justa.
Obrigada!
ODS17

Seguimos para o final desta rota, referindo que o Iscte procura sempre que possível trabalhar em parceria, para o desenvolvimento, em que trabalhos com diferentes atores do desenvolvimento numa multiplicidade de temas. 

Um agradecimento ao Instituto Marquês de Valle Flôr e Rede Intermunicipal de Cooperação para o Desenvolvimento, no apoio à criação da Rota dos ODS e no empréstimo da Exposição dos "Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável, respetivamente."

E claro, obrigada a todos os que participaram nesta viagem!

Encontram muito da informação sobre o nosso trabalho no nosso website e também nas nossas redes sociais.

Todos podemos participar! 

Quem tiver ideias, projetos, ou vontade de encontrar soluções para o campus do Iscte e contribuir para a cidadania ativa no domínio do desenvolvimento sustentável pode e deve participar! 

 Envia-nos uma mensagem para: sustentabilidade@iscte.pt 


A tua opinião é importantepara nós. Por favor classifica aqui a rota dos ODS!

Voltar ao topo