Introdução

O Iscte-Sintra é a nova escola do Iscte, dedicada ao ensino e investigação em Tecnologias Digitais, Economia e Sociedade, localizada na vila de Sintra.

O Iscte-Sintra entrou em funcionamento em setembro de 2022 com uma oferta de oito cursos de licenciatura – seis em tecnologias digitais aplicadas, um em Matemática Aplicada às Tecnologias Digitais e outro em Política, Economia e Sociedade.

Enquanto projeto inovador de ensino e formação, o Iscte-Sintra tem como principais aspetos distintivos:

  • o foco em tecnologias que estão a transformar as economias e as sociedades
  • o cruzamento entre competências tecnológicas e conhecimento das áreas da aplicação
  • o cruzamento entre as tecnologias digitais e as ciências sociais e empresariais
  • a aprendizagem baseada em projetos aplicados
  • o recurso intensivo às tecnologias digitais no ensino
  • a ênfase na autonomia individual dos alunos e no trabalho em grupo
  • a relação de proximidade de aluno e professores
  • a ligação às empresas durante todo o percurso formativo
  • a ligação ao território e aos seus desafios sociais e ambientais


Porquê as tecnologias digitais?

O mundo está a passar por uma transformação profunda baseada no desenvolvimento e na difusão de novas tecnologias digitais. Estas novas tecnologias estão a transformar o modo como vivemos, como consumimos, como produzimos, como comunicamos, como investimos, como aprendemos e como nos divertimos.

Tais mudanças exigem competências em domínios tecnológicos como a inteligência artificial, a cibersegurança, o desenvolvimento de software e aplicações, entre outros. A oferta de cursos superiores nestas áreas é ainda muito escassa em Portugal e, em particular, na Área Metropolitana de Lisboa.

Aumentar o número de jovens e adultos com formação superior em tecnologias digitais é fundamental para assegurar a competitividade das empresas e o desenvolvimento da economia portuguesa. A aquisição deste tipo de competências e qualificações aumenta a empregabilidade dos jovens e adultos diplomados nestas áreas.


Porquê o Iscte?

O domínio das novas tecnologias digitais não exige apenas conhecimentos tecnológicos. Para que as novas soluções tecnológicas sejam úteis e eticamente responsáveis é preciso que quem as desenvolve, implementa e utiliza seja capaz de compreender as pessoas, as organizações, as economias e as sociedades. Por isso, o ensino de tecnologias tem de combinar conhecimentos tecnológicos e das ciências sociais.

O Iscte é a universidade pública portuguesa em melhores condições para fazer essa combinação. Desde a sua origem, o Iscte apostou no cruzamento de áreas de saber tão distintas como a Gestão, a Sociologia, as Tecnologias de Informação, a Economia, a Arquitectura, a Ciência Política ou a Antropologia.

A capacidade de cruzar diferentes áreas de saber é um dos fatores que tornam o Iscte uma das universidades mais inovadoras do país.


Porquê Sintra?

Sintra tem condições excecionais para estudar e investigar.

O património natural e cultural de Sintra proporciona um contexto singular e atrativo para a aprendizagem, a inovação e a vida social da comunidade académica.

O Iscte-Sintra localiza-se a poucos minutos das estações de comboios de Sintra e da Portela de Sintra, que asseguram ligações muito frequentes às várias localidades do Concelho e ao centro de Lisboa. Sintra tem ainda boas ligações rodoviárias a vários outros concelhos da Área Metropolitana de Lisboa.

Para estudantes que vêm de mais longe, Sintra apresenta ainda as vantagens conjugadas da proximidade a Lisboa, custos mais reduzidos de habitação e maior qualidade de vida.

Sintra é o segundo maior concelho do país e o maior em número de jovens entre os 15 e os 24 anos. A localização de uma escola do Iscte em Sintra irá contribuir para aumentar as oportunidades de frequência do ensino superior da população concelhia. A presença de uma instituição de ensino superior de referência focada em áreas tecnológicas de ponta, irá contribuir para aumentar o potencial de desenvolvimento económico do concelho e da Área Metropolitana de Lisboa e o desempenho das empresas aí localizadas.

Voltar ao topo